Por Alice Beyer Schuch

Moda Circular & Big Players! Grandes nomes da moda apostando na circularidade!

#ModaCircular é um termo recente, apresentado em meados de 2014, e que unifica práticas sustentáveis ao conceito de Economia Circular no âmbito da moda. E este mês começou com destaque ao termo, com grandes nomes apresentando diferentes iniciativas que promovem essa mudança vital rumo à Circularidade da Moda global!

Ao final de março, foi lançada a iniciativa “Fashion for Good” – com um laboratório de inovação e ação prática em Amsterdam – que visa inspirar a indústria do vestuário a re-imaginar a maneira como a moda é projetada, feita, usada e reutilizada. Grandes nomes impulsionam essa iniciativa, como a Fundação C&A, Cradle to Cradle Products Innovation Institute,  Fundação Ellen MacArthur, IDH — The Sustainable Trade Initiative, McDonough Innovation, Sustainable Apparel Coalition (SAC) e o conglomerado fashion Kering. E além de unir os principais players da indústria da moda, também apóia a aplicação e ampliação de tecnologias, metodologias e modelos de negócios com o potencial de transformar totalmente a indústria em cinco aspectos:

  • materias saudáveis;
  • reutilização de materias (como reciclagem, mas tembém em novos modelos de negócio);
  • energia renonável;
  • tratamentos de água;
  • justiça social.

Para o lançamento, start-ups inovadoras foram convidadas a apresentar as suas ideias, projectos e tecnologias, das quais dez serão escolhidas para participarem do programa de aceleração. O programa prioriza três áreas da indústria fashion – seleção de matérias-primas; fabricação de tecidos e vestuário; e final de uso – todos com foco nos cinco aspectos mencionados. Leslie Johnston, diretora executiva da C & A Foundation explicou:

“Aberta e inclusiva, a iniciativa Fashion for Good irá partilhar todo o conhecimento e lições aprendidas de suas atividades. Ao fazê-lo, queremos inspirar todas as partes interessadas na indústria da moda a trabalhar para um futuro em que todos agricultores, trabalhadores, clientes e comunidades possam florescer.”

Durante o lançamento de Fashion for Good, a empresa C&A também anunciou que será  o primeiro varejista em todo o mundo a lançar roupas Cradle to Cradle ™ cerificadas GOLD ainda em 2017. Além da colaboração no Guia Pratico e “open source” Cradle to Cradle Certified ™ – uma ferramenta de auto-diagnóstico e passo-a-passo para mostrar aos fornecedores e fabricantes como melhorar seus produtos e instalações de produção para produzir produtos Certificados Cradle to Cradle™.

E não obstante, na primeira semana de abril, a H&M anunciou seus planos ambiciosos rumo à moda circular! Foi lançado o Change-Makers Lab – um novo projeto de pesquisa colaborativo pra abordar a circularidade têxtilentre o Grupo H&M, a Fundação Ellen MacArthur e o Centro de Resiliência de Estocolmo. O projeto terá como objetivo definir uma nova visão para a produção e utilização de têxteis em um sistema circular, que tem um impacto positivo sobre os recursos naturais (sabendo que 80% de nossas roupas são descartadas). H&M espera que a metodologia, uma vez desenvolvida, seja aplicável a outras indústrias. Palavras de Karl-Johan Persson:

“Na H & M, queremos usar nosso tamanho e abrangencia para liderar esta mudança e ajudar a criar uma indústria de moda circular e renovável, sendo uma empresa justa e igualitaria. O Change Makers Lab é uma das muitas maneiras de colocar isso em prática e fornecer um fórum para os agentes de mudança da nossa indústria, como você, para discutir, inspirar-se, colaborar, desafiar ideias e mitos existentes.”

A marca também anunciou como meta durante a apresentação de seu Relatório de Sustentabilidade:

  • Tornar-se um negócio totalmente circular – considerando roupas descartadas como recursos valiosos e por isso dar às mesmas uma longa vida, seja em sua forma original, ou através de reciclagem. Isso inclui o compromisso de usar 100% materias reciclados ou de origem sustentável até 2030. E futuramente reusar e reciclar todas as peças coletadas, que até 2020 devem chegar a mais de 25000t por ano (desde 2014 já foram coletadas 40000t.);

E como parte deste plano já posto em ação, podemos citar o Global Change Award, que neste ano está em sua segunda edição e (com grant de €1 mi) busca também acelerar ideias inovadoras de Moda Circular.

Outro grande nome, Inditex, também tem realizado investimentos em circularidade. Isso inclui, entre outras ações, investir nas coleções e em seu programa de reciclagem – coletando roupas usadas em lojas da Zara em mais de 20 países, como Espanha, Portugal, UK, em lojas na China, Irlanda, Holanda, e em implementação em países como Alemanha, França, Japão, EUA, Coreia ou Australia. Além de, em 2016, unir forças com a caridade Cáritas e a Fundação Seur para a coleta de roupas na Espanha – todos que compram roupa na loja online de Zara podem solicitar que suas roupas destinadas à doação sejam recolhidas em sua própria casa, sem extras. Tudo parte do plano de, até 2020, redestinar roupas à caridades parceiras, para revenda ou reciclagem, ou ainda reciclar descartes post-consumer, investindo também em parceiros no desenvolvimento de novas tecnologias.

Com tantas iniciativas e projetos que se movimentam rumo à necessária aplicação da moda circular em esfera global, fica aqui minha pergunta:

Quem está, de fato, movimentando a indústria e criando essa demanda para que possamos, também no Brasil, ver essas e outras mudanças EM ESCALA acontecendo?

***

Leia mais sobre Fashion for Good em Stylo Urbano e Sustainable Brands News; H&M, “Climate Positive” e o Change-Makers Lab em H&M YouTube, Fundação Ellen MacArthur News, The Tripple Pundit; Zara Collecting em Zara, Stylo Urbano, El Confidencial; e Economia Circular em Exchange 4 Change Brasil, Fundação Ellen MacArthur.

***

Alice Beyer Schuch é Circular Fashion Change Agent, fundadora da consultoria Cirkla Modo (Europa) e co-fundadora da ES-fashion (Brasil), além de Circular Fashion Mentor em CEC Circular Economy Club (Inglaterra) e tutora online em  Slow Fashion Next (Espanha).

 

 

Anúncios